Que a cidade de Salvador tem muitos encantos, cores, e axé, todo mundo já sabe. 
Dividida entre cidade Alta e Baixa, atrativos não faltam para surpreender o visitante o ano inteiro, tanto para quem curte história como para quem prefere passar o dia em frente ao mar. 
Espero que gostem das dicas e que possam inspirar a sua próxima viagem
  • ARENA FONTE NOVA

O estádio foi um dos primeiros a serem inaugurados no país para receber a Copa do Mundo de 2014. O espaço ficou pronto em abril de 2013, depois de ser completamente demolido em 2010. 

Com capacidade para 50 mil pessoas, oferece estacionamento, quiosques de alimentação, elevadores, sanitários, lojas, restaurantes panorâmicos com vista para o campo e para o Dique do Tororó e dois telões de 578 polegadas. Um dos destaques é a inclinação mais vertical das arquibancadas, proporcionando ao público uma maior proximidade com o espetáculo. 


  • ELEVADOR LACERDA

A maneira mais original de circular entre a Cidade Alta e a Cidade Baixa é através do Elevador Lacerda, um dos marcos da capital baiana inaugurado em 1872. Com 72 metros de altura, liga a Praça Tomé de Souza (parte alta) à Praça Cairu, onde fica o Mercado Modelo. Restaurado em 2002, ganhou nova iluminação noturna e janelas panorâmicas que descortinam o cais e o mercado. São quatro cabines, sendo que a 1 e a 2 são originais, utilizadas desde a inauguração. As de número 3 e 4 são da obra de 1930, quando a construção ganhou feições art déco. As viagens duram cerca de 30 segundos e transportam uma média de 20 mil pessoas por dia.

  • FAROL DA BARRA 

No começo da Baía de Todos os Santos, é o lugar ideal para se apreciar o pôr-do-sol de Salvador. Localiza-se um dos cartões postais de Salvador.

Com as visitas liberadas, turistas e moradores vão poder subir as escadarias espiraladas da torre de 22 metros de altura (equivalente a um prédio de sete andares) e conhecer toda a estrutura do farol. Por lá está o maquinário francês de 120 anos, ligado diariamente - o faroleiro acende a luz ao pôr do sol e desliga ao amanhecer. A luz pode ser vista a 60 quilômetros de distância, orientando embarcações. Do alto do farol, a vista de 360 grais descortina a Baía de Todos-os-Santos e o mar aberto do Oceano Atlântico.

Considerado o mais antigo farol da América, a obra é um marco turístico e histórico da Bahia. Ele faz parte do conjunto arquitetônico do complexo militar do Forte de Santo Antônio da Barra, que abriga também o Museu Náutico.
FORTE DE SÃO MARCELO 

No início do século XIX, serviu como prisão política e recolheu o líder farroupilha Bento Gonçalves e os rebeldes da Sabinada.

  • IGREJA DO BONFIM

A igreja do Senhor do Bonfim é a mais famosa de Salvador em função da tradicional “Lavagem do Bonfim”. Constrída em 1772, a igreja tem fachada em estilo rococó coberta de azulejos portugueses do século 19. A decoração do interior é neoclássica, destacando-se a pintura do forro da nave feita por Antônio Joaquim Franco Velasco; e os painéis da sacristia e dos corredores laterais de autoria de José Teófilo de Jesus. No altar-mor, impressiona a imagem de Cristo trazida de Portugal em meados do século 18.

A origem da fitinha do Senhor do Bonfim remete a uma tradição de mais de 200 anos. De acordo com a história, um tesoureiro da irmandade do Senhor do Bonfim tinha o hábito de usar uma fita que, originalmente, tinha a medida do comprimento do braço direito da imagem do Senhor do Bonfim. A tradição diz que tem que dar os três nós, e para cada no um pedido. Na grade do adro, uma infinidade de fitinhas colore o cenário, deixando o ambiente ainda mais alegre e tipicamente baiano!

  • IGREJA E CONVENTO DE SÃO FRANCISCO

Centenas de quilos de ouro enchem de brilho os altares da igreja mais rica do país. Considerado um dos mais extraordinários monumentos do barroco mundial, o templo de São Francisco, erguido em 1723, tem ainda balaustradas em jacarandá negro, pinturas ilusionistas e uma bela imagem de São Pedro de Alcântara. O convento, que faz parte do complexo, tem o pátio interno com paredes revestidas de azulejos portugueses que reproduzem o nascimento de São Francisco e sua renúncia aos bens materiais.

  • MERCADO DO PEIXE – PRAÇA CARAMURU

Inaugurada em 2016, a  Praça Caramuru ocupa o antigo “Mercado do Peixe”, como o local era conhecido há mais de 50 anos. O novo espaço reúne 11 restaurantes e oito quiosques de cardápios variados e alguns funcionam 24 horas, mantendo a tradição do antigo Mercado. A praça ganhou ainda uma área para shows e apresentações culturais e estacionamento.

  • MERCADO MODELO 

No Mercado Modelo estão reunidos mais de 200 boxes e é possível encontrar o melhor do artesanato baiano sendo o lugar mais indicado para comprar as lembranças de Salvador. No Mercado Modelo também acontecem as tradicionais rodas de capoeira.

  • MUSEU RODIN BAHIA

A mansão, onde funciona o Palacete das Artes Rodin Bahia, no bairro da Graça, pertenceu ao comendador português Bernardo Martins Catharino. Inaugurado em 1912, o palacete beneficiou os belos jardins, hoje ornamentados com quatro esculturas em bronze de Auguste Rodin (de 2009 a 2012, o palácio abrigou 62 peças em gesso do artista). No interior, o palácio exibe pinturas, forros do teto em painéis, vitrais, pisos em parquet, mármores e ladrilhos hidráulicos, além de um elevador francês da época da construção. Tombado em 1982, o casarão ganhou um anexo de traços arquitetônicos modernos, cenário de exposições temporárias, além de descolado café-bar. 

  • PELOURINHO

Nenhum outro lugar reflete tão bem a alma da Bahia quanto o Pelourinho. Considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, o bairro na Cidade Alta, tem mais de 800 casarões dos séculos 17 e 18. Vielas, ladeiras e largos concentram igrejas, museus, restaurantes, lojas e um vaivém de gente de Salvador, do Brasil e do mundo. 

O bairro histórico merece uma visita, em especial às terças-feiras. Nestes dias, além de bater perna sem pressa, em busca da história, das riquezas arquitetônicas e do artesanato, os visitantes podem assistir uma missa ao som de batuque na igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, às 18h. 

O agito continua com o show do cantor Gerônimo na Escadaria do Passo (Ladeira do Carmo). No verão, duas terças-feiras por mês (batizadas de "Terça da Bênção"), têm ainda apresentações do Olodum e de várias bandas de percussão pelas escadarias e largos como Teresa Batista, Quincas Berro d´Água, do Pelourinho, além do Terreiro de Jesus.

Para quem curtir um agito nos arredores do Pelourinho, vale a pena conhecer a Rua de Santo Antônio Além do Carmo, toda última tem sexta do mês acontece o Projeto Roda de Samba no Largo do Santo Antônio.

  • PONTA DO HUMAITÁ

Um dos lugares mais charmosos de Salvador - com privilegiada vista da Baía de Todos os Santos e um pôr de sol espetacular - ainda é pouco explorado. Escondida na península de Itapagipe, na Cidade Baixa, reúne um pátio, uma igrejinha, um convento e um farol – arquiteturas típicas da capital baiana! A Ponta do Humaitá fica perto do Forte de Monte Serrat ou São Felipe.

  • PORTO DA BARRA 

Praia mais próxima do Centro, Porto da Barra tem águas limpas e piscinas naturais, o que faz dela uma das mais procuradas aos sábados e domingos por baianos, turistas, ambulantes.... Venha durante a semana, quando é mais tranquila. Outro atrativo é a iluminação noturna, garantindo o movimento até mesmo depois que o sol se põe. É indicada para a prática de esportes náuticos, como o windsurfe.

  • RIO VERMELHO

Salvador tem uma barraquinha de acarajé em cada esquina, mas para experimentar os quitutes preparados pelas baianas mais famosas da capital siga para o bairro do Rio Vermelho. No Largo de Santana, Dinha e Regina demarcaram seus territórios, reunindo turistas, boêmios e artistas que têm por sua baiana favorita a mesma paixão que carregam por seus times do coração. 

Além de saborear a iguaria à base de feijão fradinho, vatapá e camarão seco, aproveite para curtir o bairro que virou point noturno de Salvador, com bares animados e restaurantes descolados. 

  • SOLAR DO UNHÃO / MUSEU DE ARTE MODERNA DA BAHIA

Um dos mais belos conjuntos arquitetônicos às margens da Baía de Todos-os-Santos, o Solar do Unhão abriga o Museu de Arte Moderna da Bahia, reunindo mais de duas mil obras de pintores brasileiros como Di Cavalcanti, Portinari e Tarcila do Amaral. Construído no século 17, em alvenaria de pedra, para ser a residência do desembargador Pedro Unhão Castelo Branco, o solar foi adaptado para fins comerciais, sendo composto por casa-grande, senzala, capela, armazém e cais. 

Reformado em 1962 teve seu jardim transformado em Parque das Esculturas, exibindo peças de artistas como Caribé e Mário Cravo. O píer ganhou um restaurante Solar Café com mesas ao ar livre, além de título de um dos melhores pontos da cidade para apreciar o pôr do sol. O espetáculo, aliás, fica ainda mais incrementado nos fins de tarde de sábado, quando acontece o JAM no MAM - projeto que leva ao museu uma trilha sonora especial ("jazz com sotaque baiano”), baseada no melhor estilo das jam sessions.